Nº 77 Recife, 12 de Março de 2000

" Não há nenhuma realização tão fácil de alcançar como a polidez, e nenhuma mais lucrativa "
George Bernard Shaw (escritor irlandês, 1856 - 1950)


Dominando o Medo de Falar em Público

      O jornal inglês Sunday Times realizou, no ano passado, uma pesquisa junto a três mil americanos para descobrir o que lhes causava maior medo. Em primeiro lugar não estava o medo da morte, de doenças, de problemas financeiros ou de altura - embora todos tenham sido muito bem votados. Para 41% dos entrevistados, a situação que provoca maior pavor é algo até certo ponto comum - e muitas vezes necessário - no dia-a-dia dos profissionais: falar em público. Quem já sentiu o coração disparar, as mãos suarem, as pernas ficarem bambas e as palavras sumirem ao enfrentar uma platéia sabe bem o que isso significa. É um temor muitas vezes sem uma explicação racional e difícil de ser controlado. Há boas e más notícias a esse respeito. A má é que o medo de falar em público pode comprometer o desempenho e a imagem do profissional - afinal, passar uma mensagem com segurança é um requisito essencial para obter credibilidade. A boa notícia é que algumas técnicas e dicas podem ajudar na hora de encarar o público e mandar o seu recado com eficiência.

      O primeiro mandamento é algo que parece óbvio, mas que nem sempre é seguido por quem vai falar para um grupo ou platéia: procure dominar o assunto que vai ser exposto. Estar familiarizado com o tema a ser abordado é fundamental. Nada pior do que demonstrar insegurança e desinformação a respeito do que está sendo falado. Por isso, ao ser convidado para expor suas idéias em público, prepare-se lendo a respeito do assunto, pesquisando as novidades e conversando com pessoas da área, para ouvir diferentes pontos de vista.

      Outra dica importante é procurar conhecer detalhes sobre o evento. Quem será sua platéia e qual o nível de conhecimento que ela terá do tema? Pergunte se haverá outros palestrantes e quanto tempo você terá para a sua participação. Com esse briefing, você estará em condições adequadas para iniciar a preparação. Estruture a sua apresentação em tópicos, defina os argumentos mais importantes e organize-os logicamente. Tenha um roteiro do que vai falar em mente ou no papel, mas resista à tentação de ler sua apresentação para o público. É enfadonho e passa uma imagem de despreparo.

      Tentar desempenhar o papel de um grande orador é um erro bastante comum e que costuma comprometer o desempenho de quem precisa falar em público. Seja natural, não use palavras difíceis ou que não façam parte do seu cotidiano. A naturalidade vai ser uma grande aliada caso você perceba que cometeu alguma falha ou se acontecer o temível "branco". Se isso acontecer e você estiver à vontade e for natural, é possível que ninguém perceba. Relembre seu último argumento e passe para o tópico seguinte. Procure ter e demonstre tranqüilidade. Nada pior do que um apresentador nervoso.

      O tempo da apresentação é um fator importante. Seja breve. Evite fugir do tema da palestra ou perder-se em detalhes que não fazem a menor diferença. Quanto mais objetiva a sua exposição, melhor. Sempre que possível, ilustre o que você está dizendo com um exemplo real. As pessoas prestam muita atenção nas histórias que são contadas nas palestras.

      E, o que é muito importante, não encare a platéia como sua inimiga. Às vezes o medo de falar em público nos leva a pensar que estão todos nos encarando criticamente, nos testando, esperando por um erro. Acredite, a platéia está ali a seu favor, para ouvir e aprender com você, torcendo para que dê certo. Encare dessa forma e a coisa ficará mais fácil.





Difícil Gravar

Segundo a especialista americana em psicologia para executivos Jean Hollands, em uma hora de discurso-padrão só 50% vão ser realmente ouvidos. São 30 minutos. Desses, só 50% serão realmente entendidos. São 15 minutos. Desses, as pessoas só vão acreditar em 50%. São 7,5 minutos. E desses só 50% serão lembrados. São 3,75 minutos. Portanto, a maior parte do que você falar não será compreendida. A clareza e a objetividade são, assim, uma grande virtude numa apresentação.

Fonte: Você S.A.




Estereótipos

Atribuir rótulos às pessoas é um fenômeno muito comum na vida empresarial e desempenha um papel importante nas relações interpessoais. Mesmo pensando em situações divertidas quem nunca teve um colega conhecido como "doidão", "brincalhão" ou "desorganizado", que animava o ambiente pela repetição de cenas engraçadas? os estereótipos não devem ser reforçados. A princípio, até pode ajudar a enxergar qualidades pessoais, mas, tal como uma caricatura, tende a tornar "ridículo" um traço marcante e acaba por acentuar, de forma concentrada, uma só característica (inibindo outras que, em determinadas situações, são mais importantes). Portanto, quando um traço ou característica pessoal é capaz de elevar o profissional ao patamar de "figura folclórica", é preciso trabalhar contra o reforço dessa imagem mesmo que em alguns momentos se sinta atraído pelo fato de estar sob a luz dos holofotes.




Radix

Para fazer buscas em língua portuguesa na Internet, um dos melhores endereços é o Radix (www.radix.com.br). O site, criado através de uma parceria entre o CVC/Oportunity e professores e alunos do Centro de Informática da UFPE ligados ao Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife Cesar, está desenvolvendo os melhores e mais eficientes serviços para facilitar a vida de quem navega na Internet. No Radix, é possível fazer busca por páginas, notícias, MP3 ou imagens. Não bastasse isso, o Radix é mais rápido e mais preciso que seus concorrentes.


10ª Regra de Etiqueta - Evitar as Gafes
      A Coluna Desafio 21 encerra hoje a série de artigos sobre Etiqueta nos Negócios, publicada nas últimas dez semanas. Abordando temas variados a exemplo de relacionamento no trabalho, como vestir-se, como portar-se em encontros e reuniões de negócios, etiqueta na Internet, entre outros, a série teve como objetivo ajudar os profissionais a lidar melhor com algumas situações no ambiente de trabalho. Pequenos detalhes que às vezes passam despercebidos, mas que contam pontos valiosos na imagem do profissional e, conseqüentemente, na construção de sua competitividade. A série está disponível para consulta na home page da Rede Gestão (www.redegestao.com.br). Veja agora um resumo dos principais erros cometidos no ambiente de trabalho - gafes e deslizes que você deve evitar a todo custo para manter uma postura sempre correta no ambiente profissional.

1. Atrasos - se houvesse um ranking das atitudes mais desagradáveis no ambiente de trabalho, os atrasos estariam concorrendo seriamente ao título de campeão. A não ser que haja um motivo realmente sério ou um imprevisto, é completamente injustificável atrasar-se em reuniões ou encontros de negócios. A velha mania brasileira de nunca começar nada na hora não deve ser tomada como desculpa. Chegue sempre na hora marcada e, caso não consiga evitar o atraso, ligue avisando e desculpando-se.

2. Celular - outro recordista em gafes. Seu uso indiscriminado demonstra a mais elementar falta de educação. Deve-se desligar o celular em cinemas, teatros e restaurantes. Em encontros e reuniões, ele também deve permanecer mudo. Caso você esteja esperando uma ligação importante, avise o seu interlocutor e peça licença antes de atender. Fale baixo e não demore.

3. Exageros - no ambiente de trabalho, bom senso é a palavra-chave. Evite os exageros, seja no modo de vestir-se ou perfumar-se, na forma de se relacionar com os colegas, na maneira de cobrar, criticar ou até mesmo elogiar um integrante da equipe.

4. Cigarro - mesmo que você esteja em um local para fumantes, sempre pergunte aos seus acompanhantes se há algum problema em acender o seu cigarro. Se, no almoço, a maioria das pessoas no grupo não fuma, tente segurar a vontade um pouco e deixar para mais tarde. Não saia espalhando cinza pela mesa ou pelo chão. Use sempre o cinzeiro.

5. Bebidas - parece um conselho óbvio, mas nunca beba no escritório. Poucas coisas podem ser tão destrutivas para a imagem do profissional quanto o hábito de misturar bebida e trabalho. Em coquetéis e reuniões, pare assim que sentir que a bebida está fazendo você perder o controle das palavras ou dos atos.

6. Namoro - outro tema explosivo no ambiente de trabalho. Se for inevitável e você estiver namorando um colega, discrição é o principal mandamento. O ideal é evitar as demonstrações de afeto e tentar manter o relacionamento estritamente no campo profissional enquanto vocês estiverem dentro da empresa.




rede@redegestao.com.br

deloitte@elogica.com.br

www.jcr.com.br


APRESENTAÇÃO | COMPETÊNCIAS | DESAFIO 21 - GESTÃO & COMPETITIVIDADE | E-MAIL | HOME